Menu

Por onde andam as benzedeiras? 

Se é nova, torna; se é boa, traz pra mim; se não é, leva para ti.”

planta-mal-olhadoEssa era a frase que as mulheres de Florianópolis falavam quando o  Picuã  aparecia por perto. Reza a lenda  manezinha  que o canto dessa ave era presságio de más notícias.

Ontem, quando cheguei no meu serviço, ouvi o canto de um pássaro em uma árvore próxima, logo o segurança falou: é o  Sabiá Branco, quando ele canta é sinal que o tempo vai esquentar. Dito e feito, hoje o tempo está quente aqui.

Lembro que minha tia-avó sempre falava que quando o  Aracuã  cantava: ”humm…aí vem chuva”, e não tinha erro. Lembro, também, que meu pai dizia quando os elos apareciam em volta da lua: “elo perto, chuva longe; elo longe, chuva perto”.

E assim eram feitas as previsões do tempo, não existiam as moças do tempo. Tudo era feito na base da observação, de como a natureza se comportava. Isso acontecia, claro, por falta do avanço tecnológico, mas, principalmente, porque tínhamos tempo para observar o que acontecia a nossa volta e com a natureza.

Hoje, se queremos viajar, pegamos o celular e  vupt,  já sabemos se devemos levar camiseta ou capa de chuva. Isso tudo facilita a nossa vida, mas… e a surpresa e a magia?

Eu te benzo, eu te curo.”

E nossas benzedeiras, por onde andam? Nos curavam de qualquer doença como: arca-caída,  mau-olhado, cobreiro e quebranto. Eram rituais carregados de símbolos, cuja ligação do homem com a natureza era bem representada. Caíram de moda ou foram substituídas por psicólogos ou psiquiatras?

Tudo era resolvido de forma tão simples com aquelas rezas lindas que nos enchiam de força e energia para curar qualquer tristeza. Hoje, tomamos remédios tarja preta e a chamamos de depressão.

Benzer era um hábito antes irmos ao médico. E muitas vezes, nem precisávamos ir.

É uma pena que essa tradição está se perdendo ao longo do tempo, já que muitas benzedeiras não conseguem transferir o ritual para as novas gerações.

E tem reza para tudo, abaixo você vai encontrar até para bebedeira, pode?

Rezas populares para benzer

Afastar raios e trovões:

“Santa Bárbara, São Simão, livrai-nos dos raios e do trovão.”

Contra mau-olhado

“Onde entra o santo nome de Jesus, não entra mal nenhum. Eu te benzo criatura do olhado. Se for na cabeça, a Senhora da Cabeça; se for na cara, a Senhora Santa Clara. Se for nos braços, o Senhor São Marcos. Se for nas costas, a senhora das Verónicas. E, se for no corpo, o Senhor Jesus Cristo, que tem o poder todo.
Minha Santa Ana, minha Virgem Maria, meu Senhor Jesus. Assim como isto é verdade, assim este olhado seja daqui tirado e para as ondas do mar seja lançado. Para onde não ouça galos nem galinhas cantar. Em louvor de Deus e da Virgem Maria, Pai-nosso, Ave-Maria”.
Essa oração faz-se com o rosário na mão. Reza-se uma Salve-Rainha. Diz-se nove vezes e durante nove dias.

Cura e riqueza

“Eu te curo, eu te benzo. Aqui, nesta hora e neste momento, com todos os santos presentes. Em louvor de santo Onofre, e com estas cruzes que vou fazer (faz as cruzes na testa, na cabeça e na nuca). A tua fortuna vai crescer, a tua doença vai sarar, a tua vida vai melhorar. Eu te talho e retalho e volto a talhar. E com a ajuda do Santíssimo Sacramento o diabo vai arrebentar. Quem a inveja te botou, o corpo te danou e o dinheiro te estragou”.
Para que a pessoa fique bem e receba o que merece rezam-se três Pais-nossos e Três Ave-Marias.

Contra bebedeiras

“Este vinho, fruto da terra que por Deus foi consagrado não se bebe exagerado nem sozinho até cair. Com  Santa  Bebiana  ao lado, o bom senso sempre existe, porque o homem não desiste de se querer emendar. Protege-me da tentação, de muito vinho beber e eu para te agradecer te ofereço o coração”.
Santa  Bebiana  era uma virgem Romana do século IV. Morreu em 363 por ordem do imperador Juliano. É padroeira dos bebedores.

Contra preguiça

Esta benzedura é feita ao romper da aurora e com a presença do preguiçoso ou da preguiçosa que se querem emendar.
“Pela vontade de Deus tudo acontece. Pela vontade de Deus tudo pode acontecer. Mas só com a vontade dos seus tudo aparece. Aparece a vontade de comer. Aparece a vontade de cantar. Aparece a vontade de trabalhar. E o corpo que a Deus se entregou um dia se vai emendar. Para que a fortuna lhe cresça assim como souber andar. A fortuna é mulher parideira. Fugidia a quem preguiça, ela luta a vida inteira e no domingo vai à missa. E, se assim se fizer com ajuda de São Expedito, mais o saber de Santa Catarina. Não há rapaz ou menina que não obtenha tudo quanto quiser. Se cumprir na terra o seu dever e se deitar cedo e cedo erguer. Com a bênção de São Jerónimo, que foi santo de muito saber, eu cinco vezes te vou benzer e tirar-te do corpo. Todo o peso morto que ainda aí tiveres”.
A orientadora ou orientador da cerimonia benze as pessoas com um raminho de oliveira, molhado em água benta e dizendo:
“Por Deus e pela Virgem Maria um Pai-nosso e uma Ave-Maria”.
Todos os assistentes rezam enquanto ela calmamente vai aspergindo pequenas gotículas de água.

12 comentários
  1. Anônimo
  2. Bruna

Deixe seu comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *