Ajuste de valores: a nova mulher blogueira

blogueira

Dizer que uma garota era prendada, na época de minha mãe, era puro elogio. Para isso costumavam ter aulas de artes aplicadas e culinária na escola convencional. As mulheres eram preparadas para serem donas de casa. Curso de datilografia era para as mais ousadas, as que queriam ser secretárias.

Quando estava com meus vinte e poucos anos, já na faculdade, gostava muito de trabalhos manuais, mas sentia um bocado de vergonha, porque a mulher da minha época, pós-hippie, era avessa a qualquer trabalho doméstico. Éramos de uma geração criadas para estudar, trabalhar e não depender de homem nenhum, ou seja, teríamos que ser independentes. Trabalho manual era algo muito fútil para uma mulher daquela época. Teríamos que ser profissionais liberais, executivas, empresárias, qualquer coisa, menos donas de casa. Então eu bordava escondida de minhas amigas, com medo de ouvir – “isso é coisa de vó”.

Hoje percebo que existe um ajuste de valores, as mulheres são independentes, estudam, são excelentes profissionais, boas donas de casa, mas estão curtindo cada vez mais criar e executar trabalhos manuais e muitas fazendo disso sua própria profissão. O mais legal disso tudo é ver a criatividade dessas meninas, o bom gosto que elas imprimem nos seus trabalhos. Muitas delas possuem formação nas várias vertentes do Design, o que acabam agregando valor a qualquer trabalho manual.

Acompanho alguns blogs dessas meninas com grande admiração e torço para que cresçam profissionalmente, fazendo o que gostam, ou seja, fazendo “coisas de vó”.

Este post tem 15 comentários

  1. Adorei, Léia! Ainda bem que estamos "acordando" para essas coisas de vó que nos dão tanto prazer e alegria. E que isso siga para hoje e sempre! Beijos!

  2. Oi Léia! Gosto muito do seu blog, mas é a primeira vez que escrevo aqui. Talvez porque hoje eu senti est post como sendo escrito para mim. O que você fala é exatamente o que acontecia comigo. sempre gostei de trabalhos manuais, mas sentia esta "vergonha". Incrível, né? Não sei a tua idade, mas eu tenho 54 anos e comecei a trabalhar com craft aos 50. Criei o meu blog (http://ninadeoliveira.blogspot.com) e também sou designer gráfica e tenho um emprego nesta função.
    Acho muito legal que as meninas de hoje tenham esta liberdade e facilidade que a internet trouxe para todas nós.
    Beijos e obrigada

    1. Léia Cook

      Oi Nina, tb tenho 54 anos e tb me formei em Design Gráfico, depois dos 50. Sou funcionaria pública em fase de aposentadoria e tb trabalho com sites junto com meu marido. Amo o design, artesanato, decoração e tudo que envolve arte. E detesto o direito.
      Bjsss
      Ps. Seu blog é uma delícia, adorei.

  3. Léia…um texto pertinente!
    Tenho 56 anos e a minha vida enquanto menina e moça…foi vivida em África (Angola)!
    Talvez…por ser filha de alfaiate e por me formar em Educação do 1.º ciclo
    (no meu curso …os lavores e os trabalhos manuais eram obrigatórios)…sempre
    mantive o interesse por estas áreas!
    Contudo…fico com a sensação que o lado artística da gente…é a hereditariedade!
    Bons trabalhos e espero que esteja bem!

    1. Léia Cook

      Oiii….Acredito tb que a hereditariedade conta muito. Cresci vendo minha mãe costurando. Ela se aposentou como costureira. Deve ter vindo daí o meu gosto pelos trabalhos manuais….bjsss e bom feriado

  4. Bem isto minha amiga, mas eu não sentia vergonha ou me escondia eu simplesmente desvalorizava qualquer trabalho manual ou doméstico. A cultura é muito forte, ainda bem que a gente muda e aprende a ser feliz com coisas muito simples. Não pensei que pudesse ser feliz fazendo coisas tão simples>:cuidar da casa ( com ajudante é claro hehhehe), bordar, costurar, amar os dogs.. ai que bom! Beijoca

    1. Léia Cook

      Oiee Silvana…vc realmente foi uma surpresa pra mim, se revelou super prendada e muito caprichosa….e que bom que vc esta feliz com isso, tudo isso trás muita paz pra gente….Ta chegando as férias, tempo de a gente se encontrar né?…bjsss

  5. Jane

    Leia, que delícia de post! Não sofro muito com isso. A maioria das minhas amigas não fazem trabalho artesanal, mas não criticam. Ao contrário, admiram quem sabe fazer, compram alguns produtos artesanais para suas casas. Acho que a cultura mudou mesmo. A ordem da vez é liberdade e respeito, para ser e fazer o que gosta. Há quem não faça e não goste, mas todo mundo se respeita. Que bom, né?

    1. Léia Cook

      Jane hoje em dia isso é super valorizado…isso realmente é muito bom….bjsss

  6. Izabel Pariz

    Dou toda a força pra quem faz trabalhos manuais, para quem é artesã, costureira e etc. Inclusive gosto muito de comprar esses trabalhos, valorizo muito, e hoje em dia é chique, da moda!
    De alguma forma posso até me incluir nesse grupo, pois de certa forma meu trabalho também é manual, sou artista plástica. Dedico-me às minhas criações. Adorei essa postagem!
    Vou dar uma visitinha aos blogs que você recomendou.
    Abraço.

    Artista Plástica Izabel Pariz

  7. Ana Tuyama

    Oi Leia querida, só hoje passeando pela fanpage da Gizoca é que vi esta postagem!
    Que legal essa sua visão e é bem isso mesmo.. eu também sempre gostei de trabalhos manuais, desde criança, mas nunca fui incentivada, encorajada a fazer disso uma profissão, só depois de muito amadurecimento é que a coisa tomou forma e sou muito feliz fazendo o que faço e acho que isso reflete em meu trabalho!
    Obrigada pela torcida! Obrigada pelo reconhecimento!
    beijinho,
    Ana

    1. Léia Cook

      Oi Ana, acompanho seu trabalho e vejo quanto existe de carinho que vc coloca neles. Torço pelo seu sucesso…bjsss

Deixe um comentário